Se existisse o Se?

Quem nunca se entristeceu com uma alternativa errada na vida? Quem nunca titubeou diante da bifurcação de um caminho? Quem nunca olhou para trás e disse: “se eu não tivesse feito isso? Se eu não tivesse agido assim? Esse tema parece tão inquietante para o homem que até uma propaganda recente do G1, canal de notícias da Globo.com, lançou esse tema aterrador nas consciências de seus telespectadores: “se o homem soubesse que iria chover, não se molharia. Se ele soubesse que haveria guerras, ele não teria inventado a pólvora...ele sofreria menos...”

O Se tem acompanhado as mentes humanas desde a sua gênese. Certamente, muitas pessoas se martirizam mais pelo Se do que pelo que fizeram. A possibilidade de se pensar no Se e a impossibilidade do Se existir como opção real fazem com que muitos sejam ansiosos e frustrados.

O Se tem muito mais a ver com o remorso do que com o arrependimento. Percebam que as pessoas que se concentram no Se geralmente se entristecem pelo não feito, mas muitas vezes não mudam de atitude. O arrependimento é a conscientização do erro cometido e a mudança de atitude ante os fatos ocorridos. O arrependido tenta nunca mais cometer o mesmo erro. A pessoa que é condoída pelo remorso apenas se martiriza, se entristece, mas nunca deixa de cometer novamente os mesmos erros. Se olharmos o exemplo de Judas que cometeu suicídio, veremos que a atitude dele é mais um remorso do que um arrependimento. Se ele tivesse se arrependido, teria mudando o rumo de sua vida e não cometeria tal desatino. Mas, novamente vemos a possibilidade impossível desse Se.

O Se é tão curioso que algumas pessoas depreendem outro Se do Se. Quando pensam no Se, dizem: “mas Se isso acontecesse, poderia ser que outra coisa acontecesse e Se acontecesse isso...”.

A verdade é que o único que pode saber do Se é Deus. Um texto que demonstra esse conhecimento de Deus é o texto de Mt 11.21: “Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza” (grifos meu). Jesus demonstra claramente que conhece a possibilidade, pois o próprio Deus que decretou a história é o mantenedor e condutor da mesma.

Essa doutrina é encontrada na teologia dentro do estudo do Ser de Deus no que tange ao aspecto do conhecimento de Deus. Ele conhece as possibilidades. Ele conhece o que poderia ter acontecido. Explicando o texto de Mt 11.21, Heber Carlos de Campos diz: “Deus conhece o que hipoteticamente teria acontecido, se... Essa partícula ‘se’ indica que Deus saberia o que aconteceria mesmo sob outras circunstâncias. Esse conhecimento é também chamado de ‘conhecimento das coisas possíveis’. (...) Jesus sabia o que aconteceria naquelas cidades gentílicas se os milagres acontecessem lá. Era algo perfeitamente possível, mas não aconteceu porque não foi o propósito divino, mas Deus tem conhecimento da possibilidade” (Heber Carlos de Campos, O Ser de Deus e os Seus Atributos, São Paulo, CEP, 1999, p. 217,218).

Sabedores que o Se só é possível a Deus conhecer e que nós somos limitados em nosso espaço e tempo não podendo voltar o relógio do tempo e consertar ou achar que se está consertando algo, podemos aduzir desse tema algumas considerações:
  1. Não andemos ansiosos de coisa alguma (Mt 5.25). Basta a cada dia seu próprio mal (Mt 6. 34). Nenhuma de nossas preocupações mudará nosso curso. Não devemos nos inquietar com as possibilidades, devemos fazer escolhas, em tempo, pelo que o Senhor nos conduz na Palavra e no discernir do Espírito. Essas escolhas em Deus nos trarão tranqüilidade e não pensaremos no Se. Contudo, se você tomou um rumo errado em um momento de sua vida, arrependa-se! Mude de atitude em relação aos fatos e não tenha apenas um remorso que só lhe trará angústia. A angústia do arrependimento leva ao perdão de Deus e a paz no coração e na mente, pois sabemos que se pecarmos, temos um advogado junto ao Pai: “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1 Jo 2:1); o arrependimento leva à mudança de atitude e ao perdão de Deus. O remorso leva a autocomiseração e à estagnação das atitudes, que certamente voltarão a acontecer;
  2. Outra coisa que podemos considerar é que Deus sabe o Se e que algumas dessas possibilidades que denominamos de Se Ele nos revela nas Escrituras e diz a você que ainda não mudou de atitude em relação á sua rebeldia diante de Deus e sua desobediência: “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” (Jo 10.9). Existe uma possibilidade agora! O Se se apresenta para você da seguinte forma: “Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo 3. 36). Se Você crer, tem a vida eterna hoje e agora; Se você não crer, não verá a vida e está e estará para sempre debaixo da ira divina.

    Deus nos Abençoe e nos faça descansar em suas seguras mãos!

    Rev. Ricardo Rios Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Igreja missionária, o que é isso?

“Sem lenço e sem documento” – uma análise do crente moderno