Arrastando a Cruz

Arrastando a Cruz

Aprender a observar é uma arte que dá trabalho. A prática da observação requer interesse por aquilo que se observa. Jesus constantemente usava as expressões “olhai”, “observai”, que significam olhar com a mente, considerar atentamente, comparar.

Em 2 Coríntios 13.5, o apóstolo Paulo fala do auto-exame usando a palavra examinar: “Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados”. A idéia da palavra examinar é de testar, apurar se realmente uma tarefa pode ser realizada. Essa palavra também é usada no sentido positivo de provar e, dependendo do contexto, pode ser usada como tentar. Os coríntios deveriam testar se realmente estavam na fé.

Partindo da idéia da observação e da auto-observação, poderemos nos debruçar de maneira atenta para a igreja moderna. Pensemos de uma maneira bastante reflexiva sobre esse assunto. A tentativa é: primeiro, observarmos ao nosso redor; segundo, olharmos para nós mesmos. Para essa análise, convido-os a refletirem em uma frase de J. E. Vaux:

“A cruz é mais fácil para aquele que a carrega do que para aquele que a arrasta pelo caminho”.

Sem medo de ser duro ou olhar com severidade a igreja hodierna, acredito que muitos que se consideram crentes estão se arrastando pela fé. Não estão carregando a cruz e praticando a auto-morte; o mortificar dos nossos pecados. Não praticam a auto-negação. Pelo contrário, querem o melhor dos dois mundos: a eternidade e a não aplicação do juízo e viver nesse mundo sem nenhuma renúncia.

Jesus declara que veio aliviar os que estavam cansados e sobrecarregados e disse em Mateus 11:28-30: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve”.

O que será que está acontecendo? As pessoas estão cansadas, desanimadas, secularizadas, escravizadas ao dia-a-dia, consumidas pela pressa do tempo que não espera, desamparadas, desatentas.

Conversando com alguns líderes, temos algumas sensações bastante conflitantes. Alguns relatam o crescimento de suas igrejas e o desenvolvimento de projetos do Reino, com isso, ficamos felizes e cheios de júbilo! Outros líderes relatam a dificuldade que enfrentam no crescimento das igrejas que lideram. Então, ficamos tristes.

A conversa continua e percebemos mais nitidamente a situação, pois uma parte dos que dizem que suas igrejas estão crescendo, resguardando as belas exceções, confessa que não sabe a profundidade da raiz da semente que foi plantada, pois há um vazio no testemunho e pouco compromisso com Cristo e com Sua igreja.

Há um tempo, compartilhando com um pastor sobre a tristeza de ver a igreja vazia no horário noturno e, às vezes, no diurno, ele me consolou: “acontece a mesma coisa na minha igreja”. Quando ouvi esse relato, tive duas sensações: a primeira foi bem carnal e auto-justificatória: “viu que não é só na minha igreja?”. Mas, Deus que nos trata e nos corrige imediatamente repeliu esse sentimento com uma tristeza profunda e, desde então, tenho tido muito cuidado em minhas observações, pois percebo que, ao olharmos para o outro, temos que, antes de tudo, olharmos para nós mesmos.

A primeira pergunta deve ser: e eu nisso tudo? Como estou? Certa feita Jonathan Edwards disse:

“Quando olho para dentro de meu coração e observo minha iniqüidade, ele parece um abismo infinitamente mais fundo do que o próprio inferno”.

Essa compreensão do próprio pecado fez o apóstolo Paulo declarar que é o principal dos pecadores (1 Tm 1.15). Quando olharmos para os outros, devemos voltar os olhos para nós mesmos, pois precisamos de um auto-exame pautado nas Escrituras: como eu estou diante desse comportamento do outro que agora eu condeno? Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?” (Mt 7:3).

Portanto, ao observarmos que muitos se arrastam na fé e estão pesados, perceberemos que se aplica a exortação do autor aos Hebreus 12.1: “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta”.

A corrida está cansativa e pesada porque muitos estão embaraçados pelo pecado e não conseguem correr. Estão arrastando a Cruz.

Muitos encontram justificativas no outro para não congregarem ou não testemunharem de Cristo; frases são formuladas, por exemplo: “essa igreja desanima qualquer um”, “não consigo gostar desse pastor”, “essa liderança não anima ninguém a vir à igreja”, “eu já desisti, com essa liderança eu não faço nada”. Essas são frases, no mínimo, soberbas, pois demonstram que o problema está no outro, não houve nenhuma auto-avaliação.

A palavra ânimo, oriunda do latim, significa disposição resoluta e inalterável, em face de situações difíceis; coragem. O desânimo é creditado ao outro, quando na verdade vem de nós. O ânimo deve vir do Senhor, pois é Ele que nos encoraja: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (Jo 16.33).

Às vezes o que fazemos é aquilo que a psicanálise chama de projeção: lançar no outro aquilo que é meu. Por mais que as coisas sejam desmotivadoras, a desmotivação é minha, vem de dentro e não de fora.

O apóstolo Paulo foi perseguido pelos de dentro e pelos de fora, sofreu violência e preconceito dos judeus e dos próprios irmãos cristãos, tinha profunda tristeza por ter perseguido o Senhor Jesus e os irmãos do Caminho, entretanto ele declara: Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fl 4.12-13). Em 1 Coríntios 9:16 : Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho!”. Em 2 Coríntios 4.8, “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados”.

Querido, olhe para você e se pergunte: estou realmente carregando a cruz? Estou enxergando verdadeiramente o problema? Tenho tirado o argueiro do meu olho? Posso atirar a primeira pedra? Cuidado para não arrastar a cruz!

“É inútil grandes grupos de crentes gastarem horas e mais horas implorando que Deus mande um avivamento. Se não pretendemos nos reformar, também não devemos orar” (A. W. Tozer).

Que Deus nos corrija!

Rev. Ricardo Rios Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Igreja missionária, o que é isso?

“Sem lenço e sem documento” – uma análise do crente moderno